Usuários on line

sábado, 24 de julho de 2010

UM POUCO DE GIRIA CATARINENSE


Chamamos de dicionário Lageanes - para quem nasce em Lages interior de SC:


- "Isso não é chuva, é neve derretida!!" (para disfarçar o desapontamento de quem passa frio e não vê a neve)
- "Uh, Aleijada!" (mulher gostosa, de bons atributos físicos)
- "Mas credo" (resposta a uma afronta)
- "Não me aleije" (vários significados!)
- "O tipo do jeito" (quando se estranha a atitude de alguém)
- "Desacorçoado" (sujeito perdido, lerdo)
- "Me repuna" (desprezo por alguém)
- "Piádebosta" (quando o cara é considerado um nada)
- "Balão homê!" (quando você queria dizer que alguma coisa era mentira ou não tinha nada com o contexto)
- "Uhh pia pançudo!" (usado para vários adjetivos amigáveis!)
- "Aisiii ta loco ómizinhoooo" (diminutivo do item 1)
- "Minhazarma!" (exclamação do tipo: Meu Deus do céu!)
- "Venha Vindo!" (advertência para prestar mais atenção)
- "É só lavá!" (ninguém merece!)
- "Mas porquiera" ou "mazoquiera?" (questionamento);
- "Uhhh Moscão!" (quando se fazia algo errado ou alguém era distraído, desastrado)
- "Piriga" (será que neva?... piriga...)
- "O ómeeee, vc viu a pexada que aquele carro deu no poste de luix chegou arrancar tudo os fio?" (batida de um carro no poste)
- "É de sartá butiá do bolso" (quando uma coisa é muito boa)
- "Pare se não te atócho!" (combine com o item 13!)
- "Vamo trecha?" (quando querem ir embora)
- "Encarangado" (essa é exclusiva de Lages hein!? - sujeito encolhido de tanto frio)
- "Lagartear" (expôr-se ao sol no inverno... numa manhã de geada)
- "O homí véio tá todo ESGUALEPADO" (que significa o mesmo que quebrado, cansado)
- assa home, diéquié a dibrinha hoje? - - Marcando uma partida de futebol
- lá no tio gélis, perto daquelas árvi!
- tá, mas não vale dar ximbão!
- assassin hora omeducéu!
- "Se pinxe daí omê!" (saia daí!)
- "Mas pule!" (sentido de venha brigar! venha pra porrada!)
- "Tráki fora!" (jogue fora!)
- "JACK vai? JACK veio esse?" "Vai do quê? JÔNIbus?" (onde, de onde)
- "Dar uma PILICHADA" (melhorar de saúde, melhorar de vida)
- "Carquei ficha!" (fiz, executei)
- "É de gastar o taco da bota" (quando o indivíduo dançou bastante)
- "Lááá", "longe", "me nego", "mescapo", "sartex" (quando **** uma frase de duplo sentido, tipo "mas tu entraste por trás?")
- "D'ja'hoje" ou "tresontonte?" (perguntando a data de um evento)
- "Ficô c'os óio que é dois pila" (assustou-se);
- "Não se meta a jacú sem rabo" (não faça o que não sabe)
- "Quedelhe??" (primeiro site de busca lageano: Quedelhe?)
- "Mas não se "ASTREVA" (não te atrevas!)
- "Não te mataro ainda ôme??" (reencontro de velhos amigos)
- "Tava de lambê us beiço!" (geralmente depois de saborear um bom prato)
- "Dei cos corpo no arame" (me dei mal)
- "Negaciar" (observar, tipo: ele estava negaciando o corpo dela)

- Algumas frases comparativas:
- "Firme que nem palanque de banhado"
- "Mais ligeiro que tatu de kichute"
- "Mais suado que tampa de marmita"
- "Mais liso que suvaco de santo"
- "Mais por fora que dedão de franciscano"
- "Se batendo mais que bolacha em boca de véio"
- "Mais bonita que laranja de amostra"
- "Se mostrando mais que salame de mercearia"
- "Mais perdido que cego em tiroteio/surdo em boate"
- "Mais velho que andar pra frente"
- "Tá mais feio que roubar e não poder carregar"
- "Tá mais devagar que lesma de patins"

- "Maisss tá looko OMEEEEEE do céu!" (pra fechar com chave de ouro!)
- "Você vai 'posa' hoje lá em casa?" (referindo-se quando alguém vai dormir na sua casa)
- "Dá UM água" (ao invés de falar "dá UMA água")
- "Não chegue perto do 'peral'" (referindo-se a um barranco muito alto).
 

DICIONÁRIO DE CATARINÊS

Abobado: Metido a besta.
Bobiça: Coisa sem importância.
Cabeu: Passado do verbo caber (Ele coube)
Caxão pro Bili: Algo deu errado.
Champinha: Tampa metálica da garrafa.
Claps: Alçapão pra pegar passarinho.
Coça: Surra.
Comprar um chôn: Comprar um terreno.
Dá-de-dedo: Tomar satisfação.
Demonho: Xingamento (Ô DEMÔNIO!)
Dérreal: Dez reais.
Deu?: Tá pronto? Acabou?
Dipé: A pé
Disaoje; Dijaoje: Há pouco tempo.
Do rreal- Dois reais
Éééééégua: Interjeição de espanto (coisa de joinvilense).
Embaciado: Vidro sujo.
Esganado: Egoísta.
Fuqui: Fusca.
Galega: Loira.
Ganjudo(a): Manhoso(a), filho(a) cheio de manias.
Guria: Moça.
Inticar: Provocar.
Javoindo: Estou de saída.
Judiaria: Maus-tratos.
Meti a boca: Falei um monte de palavrão.
Meu Canário: Meu caralho.
Paranho: Teias de aranha no canto das paredes.
Pau de virá tripa: Pessoa magra e alta.
Pêca: Bolinha de gude.
Pisô-se todinho: Machucou-se.
Prábunito: Coisa inútil.
Que palha: Que fiasco.
Ranho: Catarro.
Reinando: Estar bravo.
Sarar o pisado: Curar uma ferida.
Se afinou/rachou o bico: Morreu de rir.
Seu istepor- Xingamento (coisa de manezinho da ilha)
Tacá-lo pau: Ir bem depressa.
Tanço: Pessoa pouco inteligente.
Tô apurado: Com vontade de ir ao banheiro.
Toda vida reto: Siga sempre em frente.
Visse: Entendeu?
Xaropear: Incomodar.
Xilóida: Estilingue
Zarco: Ônibus.
Zica: Bicicleta.

DICIONÁRIO DE FLORIANOPOLITANÊS

Abespinhar: Picar, beliscar.
Andar em porta milá (ou importa-me lá): Andar sem rumo, perdido.
Andar escovando aribu (urubu): Estar desempregado, numa pior.
Arreglo: Acerto, chance, combinação (o verbo Arreglar é usual no espanhol; o português antigo também o utilizava)
À toda: Com velocidade.
A três por dois: Com freqüência.
Abaixar a crista: Acalmar-se, acovardar-se.
Abobado: Tolo.
Abusar: Importunar.
Acachapado: Doente, triste.
Acicar: Estimular o cachorro a atacar.
Acrocado: Sentado sobre os calcanhares.
Advinha d'alho: Molho à base de vinagre e condimentos para peixe ou carne.
Afinar: Chorar até perder a respiração.
Afontado: Agoniado.
Água de barrela: Café fraco sem gosto.
Aguaceiro: Chuva forte e rápida.
Aleivo: Mentira, difamação.
Alguidar: Bacia de barro para lavar louça e colocar comida.
Almãe ou Aomãe: Mamãe.
Aluado: Distraído.
Amarelo: Pessoa sem importância.
Antanho: Antigamente.
Antonte: Anteontem.
Aparado: Cafezinho.
Aparença: Assombração, alma penada.
Apartado: Separado (Ele é um homem apartado)
Ariado: Bem limpo, brilhando.
Arremedar: Imitar.
As brinca: O que não vale nada.
Asseado: Limpo, de banho tomado.
Assistida: Menstruada.
Atochar: Encher alguém de desaforo.
Atolesmado: Tolo, abobado.
Avacalhar: Esculhambar.
Avoado: Distraído.
Assentar as costuras (de alguém): Bater, dar uma surra.
Ataque de pelanca: Crise histérica.
Baita: Muito grande.
Bafuja: Pouco vento, quase calmaria.
Bambo: Cambaleante.
Barrelote: Pandorga quadrada.
Bater com a cola na cerca: Morrer.
Bater com os costados: Ir ou aparecer num lugar.
Berbigão: Molusco bivalve da família dos cardínidios.
Bergamota; vergamota: Mexerica,tangerina.
Bernunça: Personagem fantástica do Boi de Mamão.
Bestunto: Pessoa estúpida, de intelecto limitado.
Bicanca: Chute com a ponta do pé.
Bilro: Peça de madeira semelhante a um fuso usado para confeccionar renda.
Bisca: Pessoa ruim.
Bispar: Espiar.
Bobear: Descuidar-se.
Bóca : Buraquinho central da roda de bolinha de vidro.
Boca da noite: Ao anoitecer.
Boi de Mamão: Brincadeira parecida com o Bumba Meu Boi,mas com outros personagens.
Boi ralado: Carne moída.
Boião ou Buião: Bule de barro para coar café.
Borzeguim: Sapato de cano médio, pequena botina cujo cano é fechado com cordão.
Bucica; Guaipeca: Cadela vira-lata.
Burlantim: Palhaço, ator cômico.
Cabano: Aquele que tem orelha grande.
Cabeça de arromba-navio: Pessoa com a cabeça grande.
Cabeça de catuto; Cabeça de mamão-macho: Burro,ignorante.
Cabeça de todos nós: Pessoa de cabeça grande.
Cabreiro: Desconfiado.
Cacalhada: Turma que não vale nada.
Cachorro sem dono: Pessoa sem eira nem beira.
Café cabeludo: Café não coado e fervido tudo junto.
Cafundó do Judas: Muito longe.
Cagaço: Susto.
Cagão: Medroso;significa também sortudo.
Cair na esparrela: Deixar-se enganar.
Caixa a prego: muito longe.
Calada podre: calmaria com sol forte.
Calhau: pedra ou coisa muito grande.
Camassada de pau: uma surra, sova, coça.
Cambada: ajuntamento.
Cambar: cambar a direita, virar.
Cangalha: peça em forma de um triângulo usado em porcos para que não passe na cerca
Canoa bordada: canoa que tem bordadura
Capinar: carpir
Carcado: cheio, mas também usado para quem sumiu : se carcou
Cardosa: o mesmo que sardinha
Carrada: uma carga inteira
Carretão: brinquedo da infância feito de madeira com 4 rodas
Casa do chapéu: muito distante
Casa de instantinho: motel
Cascudo: batida de raspão com o nó dos dedos a cabeça alheia
Catuto: o mesmo que cabaça
Cavaco: pedaços pequenos de lenha ou de pau
Champinha: tampinhas de garrafas
Chichilaria: burocracia
Chimia: pasta doce feita com ovos
Cidade dos pés juntos: cemitério
Coberta d'alma: roupa doada que pertencia a alguém que morreu
Conduto: prato principal da refeição
Consumição: incomodação
Correr a via sacra: andar na vizinhança de casa em casa só para fofocar
Coxa de velha: bolinho feito de farinha de mandioca, açúcar, cravo, misturado com água quente e frito
Craca: crustáceo que fica grudado no fundo dos barcos
Cu de cachorro: encrenqueiro, morrinha
Cuica: espécie de marimbondo
Curricar: andar pela vizinhança e também pescar com barco em movimento
Dar com os burros n'água: perder tudo, dar=se mal
Dar com os cornos nos mariscos: se dar mal
Dar de langa: ganhar por longa margem
Dar de mamar à enxada: pessoa que, na lavoura, tem preguiça de trabalhar e fica apoiada no instrumento (a expressão pode ser generalizada para todos os preguiçosos)
Dar de mamar a soleira: ficar na janela o dia inteiro para bispar o que se passa
Dar um agüento: esperar um pouco
Dar um susto: colocar água fria sobre algo que esta cozinhando (fervendo)
Dar uma esticada: ir ate lá
De família: em geral é usado para moças diz que a moça tem mãe e pai (moça de família)
De lambuja: com muita folga
De supetão: de repente
Desbocado: pessoa que fala muito palavrão
Descaída: desnível, inclinação
Desenlear: desfazer
Desgraceira: desgraça, coisa ruim
Desgranido: desgraçado
Desmazelado: que não tem cuidado
Dijaoge: ainda há pouco
Doente de família: grávida
Domingueira baile de Domingo a tarde
Doutor da mula ruça: pessoa metida a sabichona
Defesa: peixes de segunda que sobravam nas redes, nas praias, e eram dados pelos pescadores aos vizinhos mais pobres
De sol parido a sol morrido: durante todo o dia
Elas por elas: o mesmo que olho por olho
Embaçado: sem respiração
Embicar: colocar a canoa em uma direção
Emcalado: frito por pouco tempo. Não bem frito
Emliar: fazer maçaroca, dar nó
Empalamado: que vive sempre doente
Empanturrado: cheio de comida, comeu muito
Empombar: chatear, encher o saco
Encarnado: vidrado, fissurado
Encruzo: lugar onde duas estradas se cruzam
Engronha: coisa feia, encrenca, confusão
Enjambrar: fazer a coisa mal-feita
Enrilhar: incomodar, encher o saco
Escalar: preparar o peixe limpo colocando sal e deixando ao sol para secar
Escangalhar: desarrumar, tirar tudo fora do lugar
Escola do Baldoíno: diz-se da pessoa é burra, que não sabe ler bem: estudou na escolinha do Baldoino
Esculacho: bronca, repreensão
Esfergulhar: ficar mexendo em
Esgadelhado: despenteado
Espicular: saber as novidades, fofocar
Estar afiado: saber tudo na ponta da língua
Esteporado: estragado, arruinado
Esticar as canelas: morrer
És bom pro fogo: expressão usada para dizer que uma pessoa não presta (também ameaça debochada de mandar alguém à fogueira, talvez numa referência à Inquisição, que aterrorizou a Europa, incluindo certamente os açorianos)
Facho: pau com fogo na ponta para iluminar
Farinhada: ato de fazer a farinha em engenho
Fato: bucho, dobradinha
Fazer a cama: delatar, denunciar
Fazer mal: engravidar uma moça de família
Forqueta: galho bifurcado usado para fazer funda
Fossura: miúdo dos animais (coração, fígado, pulmão, etc)
Fuças: mesmo que cara
Fugir: sair de casa para casar, amasiar-se
Funda: o mesmo que estilingue
Fuxicar: fofocar
Fuzarca: zoeira, gandaia
Gadanho: ancinho, rastel
Gamela: vasilha de madeira para várias utilidades
Gangana: grupo de bruxas velhas
Garrancho: letra feia, lenha fina
Gervão: lagarta
Gregorinho: bolinho à base de farinha de mandioca
Guapeca: o mesmo que guaipeca (cachorro de rua)
Indez: ovo que se põe no ninho para iludir a galinha, fazendo com que ela bote outro
Ingrisar: aprender a falar
Inhapa: um a mais, excedente
Inticar: mesmo que intisicar
Intisicar: instigar alguém ou algum animal
Itajer: espécie de armário de cozinha para guardar alimento
Ir aos pés: ir ao banheiro, fazer as necessidades fisiológicas
Jacuba: pirão (mistura de farinha de mandioca e água fria)
Jaguara: ordinário, grosseiro, sem caráter
João Bofante: comilão
Lambança: bagunça, esculhambação
Lambisgóia: mulher feia, intrometida
Lambuja: vantagem inicial ao adversário
Lamparina: luz a querosene ou óleo
Lengalenga: conversa monótona, conversa chata
Lestada: vento de leste (em geral traz chuva)
Levado da breca: arteiro, traquina
Loque-Loque: pirão de farinha mole
Machuchu: chuchu
Mal de bitaca: sem dinheiro
Malecho: doente, adoentado
Mandrião: preguiçoso, malandro
Manteiga derretida: pessoa chorona, que chora por qualquer coisa
Marejar: verter, também usado para quem começa a fica enjoado ao passear de barco
Maricão: efeminado, maricas
Maricota: personagem do boi de mamão (muito alta)
Mastrunço: erva medicinal, mesmo que mestrunço
Mata-fome: pudim preparado com pão velho, leite e ovos
Mazanza: bobo, tanso
Meganha: pejorativo de policial
Miguéli de café: pirão feito de café e farinha de mandioca
Mocorongo: grosseiro, sem cultura
Mofas com as pombas na balaia: expressão usada para dizer que uma pessoa não vai alcançar o seu intento, que vai se cansar de esperar
Mondrongo: andarilho, sujo, com roupas rasgada
Na bucha: na hora, agora
Na galega: sem mais nem menos, atoa
Naba: serviço ruim, abacaxi
Não chacoalha: não perturbe, não mexa comigo, não me tire a paciência
Noite forrada: noite escura sem lua e sem estrelas
Óióóóóóó: expressão de admiração
Osso da fiança: o cóccix, o ultimo osso da coluna vertebral
Pampeiro: rajada de vento muito forte e em rebojo
Pão por Deus: corações recortado em papel com cheiro e rendado, usado para mandar recado para seu namorado(a)
Parar na praia: falir
Pastilha de prosear: ficha telefônica
Perau: barranco, despenhadeiro muito grande
Pirão branco: pirão feito com farinha de mandioca e água não quente (a farinha não cozinha)
Pirão de nalho: pirão feito com farinha de mandioca e água fervendo (a farinha cozinha)
Pisa flores: pessoa afeminada
Pomboca: espécie de lâmparina a querosene
Puçá: o mesmo que jerêré, rede com arco de ferro para pegar siri
Pudim de cana: alcoólatra, bêbado
Pustema: inflamação
Rabar: não acertar o alvo
Rabiola: rabo de pipa ou de pandorga
Rabudo: sortudo
Rampeira: mulher da vida
Rasgar o mapa: deflorar, desvirginar
Ratoeira: cantiga de roda
Rebojo: vento instável, que sopra em várias direções; também vento sul forte
Responso: reza usada para achar algo perdido
Se quéz quéz se não quéz diz (Se queres,queres;se não queres,diz): se você quer ou não quer,então diga logo
Sino-saimão: o signo de Salomão, a estrela de Davi
Taipa: muro de pedra sem argamassa
Tanso: tolo, lerdo, pamonha, palerma
Tarimba: cama rústica de madeira pregada na parede
Tarrafa: espécie de rede cônica para pegar peixe ou camarão
Tatuira: mesmo que tatui, crustáceo que vive na beira do mar
Tóche: ato de bater um bola de vidro na outra
Toró: chuva forte
Vadiar: não trabalhar, ficar à-toa
Vão ter que me levar de colo: expressão usada por pessoa determinada a não fazer uma coisa que não quer.
Ventas: nariz
Verdolengo: não madura
Voz de tripa: voz fina do terno de reis
Zangarilho: espécie de garatéia que é usada para pescar lula.



Ser Florianopolitano É

Acreditar em bruxas .
Acreditar que já viu uma luz de bota.
Acompanhar a procissão do nosso Senhor do Espaço.
Adorar, respeitar, idolatrar e amar a Ilha da Magia.
Adorar vento sul.
Chupar laranja depois do almoço.
Comer camarão.
Comer peixe frito com pirão d’agua.
Conhecer alguma lenda da ilha.
Defender a cultura local.
Defender a mudança do nome da Cidade para Nossa Senhora do Desterro.
Defender os animais.
Emocionar- se ao ouvir o Rancho de Amor à Ilha e cantar baixinho como se fosse uma oração.
Escalar uma tainha.
Falar bem rapidinho e no diminutivo.
Falar mal de qualquer árbitro que apite um clássico.
Fazer tarrafa.
Gostar da farra do boi.
Ir ao Mercado Público.
Ir aos jogos do Figueirense ou do Avaí.
Ir à missa aos domingos.
Ir aos shoppings.
Jogar conversa fora com os amigos .
Jogar baralho,dominó e xadrez.
Lembrar do Miramar.
Lembrar dos sons do carro de boi e da roda de engenho
Participar da festa do Divino Espírito Santo na Praça da Dona Tilinha, em frente ao Quartel do Corpo de Bombeiros, ou no Ribeirão da Ilha.
Pegar carona com desconhecidos a qualquer hora do dia ou da noite.
Receber bem os turistas.
Reverenciar todas as manhãs a Figueira Centenária da Praça XV.
Saber arrastar uma rede segurando na fieira e não no isopor.
Saber as condições do mar.
Saber jogar a tarrafa sem fazer dela um oito.
Saber pescar.
Saber que na Festa da Laranja, a mais famosa e tradicional festa da Trindade, tem de tudo, menos laranja.
Saber que Jornalista Rubens de Arruda Ramos é o nome oficial da Avenida Beira-Mar Norte.
Saber se vai chover ou fazer sol ou se vai cair o vento sul.
Sair vestido de mulher no carnaval.
Ser simples.
Ter ajudado a fazer ou ter brincado no Boi de Mamão.
Ter andado em ônibus da Empresa Florianópolis, Limoense, Taner ou da Trindadense.
Ter apreciado um Terno de Reis.
Ter assistido ao desfile dos carros alegóricos do Tenentes do Diabo.
Ter assistido a Banda de Amor à Ilha em algum evento cívico.
Ter brincado de quirica, canzola e pandorga (sem cerol, mas com gilete) ..
Ter cachorro vira-lata em casa.
Ter casa para veranear em Canasvieiras, Ponta das Canas, Cachoeira, Daniela, Jurerê Velho.
Ter catado marisco de mergulho na Galheta ou Joaquina, e /ou ostra nas pedras, e comer tudo isso recém-assado com cachaça ou caipirinha.
Ter ouvido muitas histórias dos bailes no Clube Quinze.
Ter ouvido o programa do Jorge Salum e ter tentado ganhar uma caixa de maçãs respondendo sobre Conhecimentos Gerais.
Ter comido manjuvão frito sem catar espinha.
Ter comprado empadinha na Confeitaria Chiquinho.
Ter comprado na Venda: bala azedinha; pé- de-moleque; quebra-queixo; maria- mole, pirulito açucarado em forma de peixe, bala Rococo, tablete Dalva, Guaraná Pureza,
um copo de groselha (grosel) ou refresco da Max William.
Ter corrido calha nos combro.
Ter dado 'uma sarradinha' de madrugada no 'Kuxixos' e na antiga Beira-Mar.
Ter desfilado na Passarela Neguinho Quirido ou em volta da Praça XV pela Escola de Samba da Coloninha, no Consulado de Samba, na Protegidos da Princesa.
Ter entrado como 'piru de fora' em festa de 15 anos, baile de debutante ou casamento de granfino.
Ter estudado no Instituto Estadual de Educação (IEE), Colégio Catarinense, Coração de Jesus, Escola Técnica, Silveira de Souza, Aderbal do Estreito, Bardal, Imaculada Conceição ou no Menino Jesus, e se formado na UFSC.
Ter guardado no rancho: caniço, tarrafa, puçá, cóca, jereré e pomboca
Ter ido a um baile de formatura no Clube do Penhasco.
Ter nascido na Ilha de Santa Catarina ou no Continente.
Ter participado de alguma turma.
Ter participado de uma farinhada em Engenho.
Ter passado pela Ponte Hercílio Luz, de pé ou de carro, quando ainda não existia a Ponte Colombo Salles.
Ter passarinho, principalmente curió, e levá-lo para passear e pegar sol.
Ter, pelo menos uma vez na vida, subido a Avenida Tico-Tico (Rua Clemente Rôvere).
Ter se acocorado no lodo pra catar berbigão e ainda descascá-lo na unha, com aquele caldinho ainda quente.
Ter tirado foto no lambe-lambe embaixo da Figueira da Praça XV.
Ter tomado banho na Lagoa da Conceição sem medo de pegar pereba.
Ter tomado picolé de coco, sorvete de butiá ou Beijo Frio nas sorveterias Satélite, Ilhabela ou Barão.
Ter visto a procissão do Senhor dos Passos descer a Rua Menino Deus.
Ter usado “brebe” pra mau-olhado
Tomar uma cachacinha.
Valorizar a cultura local.

11 comentários:

  1. eai pessoal!
    chegou a hora de espalhar as girias do Paraná pro Brasil todo!

    www.qualeagiria.com.br

    ResponderExcluir
  2. Falto um dizer: ...
    " Só dando com um gato morto na cabeça. "

    ResponderExcluir
  3. Éééééééééégua -> Realmente, joinvillense purinho hahahaha E o pior que o pessoal que vem pra cá(jlle) fica tirando palha com a gente, mas é tão natural que nem dá pra notar hahahaha

    ResponderExcluir
  4. Esqueceu de por bater um papo com a gorete

    ResponderExcluir
  5. Esqueceu de por bater um papo com a gorete

    ResponderExcluir
  6. Esqueceu de por bater um papo com a gorete

    ResponderExcluir
  7. Só corrigindo lages não é interior de SC lages é a maior cidade do planalto serrano e serra catarinense

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso significa interior pq não fica no litoral. Se não é litoral é interior. Significa localização geografica e não zona rural

      Excluir
  8. Só corrigindo lages não é interior de SC lages é a maior cidade do planalto serrano e serra catarinense

    ResponderExcluir
  9. E como se diz aí, um perrapado ?

    ResponderExcluir